Para além da palavra-chave, um dos fatores coadjuvantes na avaliação da qualidade de uma página na internet é a escaneabilidade do conteúdo, uma estratégia capaz de organizar textos, imagens e botões na tela para que sejam de fácil leitura e alta compreensão pelo usuário. Isso não causa impactos negativos na estratégia de SEO; pelo contrário, é algo simples de se estruturar no processo de otimização em curso na sua produção.

Esse tipo de recurso se faz necessário para que o leitor do texto, além de encontrá-lo com facilidade, possa ter uma rápida visualização do conteúdo da página, entender do que se trata e buscar os pontos de interesse e links importantes — que devem estar em destaque, com H2 e H3, aspas e links em cores — para decidir por onde começar a ler e consumir algo.

Quando blocos de informação estão desorganizados ou muito soltos, podem fazer o seu público procurar informações em outro lugar. Resumindo: um texto impenetrável pode resultar em uma alta taxa de rejeição, levando a classificações mais baixas no Google no longo prazo. Contra isso, podemos aplicar técnicas muito simples de escaner de texto.

Pensando na experiência do usuário

Os plugins de otimização de conteúdo para WordPress (Yoast SEO e tantos outros), além de fazerem a análise de keyword, são capazes de mensurar o grau de escaneabilidade de um texto de acordo com a facilidade de compreensão, simulando os hábitos de leitura de uma pessoa comum dentro de um público-alvo.

Contudo, usá-los sem se aprofundar nos parâmetros que o levam a determinada conclusão (apenas colorindo os sinais com as cores verde, amarela e vermelha) é colocar o redator em uma posição de dependência desse método, que não é tão exato. Saber o que está por trás de todo o processo pode ajudar a tomar decisões com mais firmeza e fazer os ajustes necessários, usando ou não um plugin de SEO ou outra ferramenta de legibilidade.

Afinal, se um software é capaz de analisar a experiência de um humano em frente a um computador, quem está escrevendo o texto também deve levar esses conhecimentos consigo. O Google valoriza isso e considera a leitura para medir a qualidade da página.

Especialistas afirmam que um conteúdo é considerado de boa assimilação se puder ser lido com facilidade e compreendido adequadamente por uma criança de 13 ou 14 anos de idade. Sendo assim, além de se empenhar no SEO tradicional, com o uso de palavras-chave, é necessário considerar fatores adicionais nos seus projetos, como a escaneabilidade. Ela não chega a ser um dos principais agentes de ranqueamento de sites para o Google, mas pode trazer bons resultados.

8 dicas para melhorar a compreensão do texto

  1. Parágrafos pequenos facilitam a leitura, evitam que o usuário se perca e criam um conforto visual, principalmente em telas pequenas de smartphones, com mais espaços em branco, permitindo pausas.

  2. Negrito e itálico são ótimos recursos para destacar palavras importantes ou estrangeirismos, porém é preciso usá-los de forma padronizada e com moderação.

  3. O padrão no comprimento das linhas do texto é uma das atribuições que diz mais respeito ao layout do site, como espaçamento e fonte, mas que também deve ser mantido.

  4. Vocabulário simples, de fácil entendimento e com esclarecimento de termos técnicos e complexos é sempre desejável.

  5. Explicações ou reforços com imagens e gráficos também são bem-vindos.

  6. Intertítulos ajudam a organizar o conteúdo de texto, permitindo ao leitor uma escolha prévia de que parte deseja ler (em textos muito longos).

  7. Frases compridas e palavras com muitas sílabas devem ser avaliadas, porque isso tende a complicar a experiência de leitura na página.

  8. Bullet points, com grande variedade de formas, como círculo, quadrado, diamante ou seta, ajudam a organizar as listas.

A experiência do usuário nas mãos do redator

Evite construções invertidas de frases, tempos verbais pouco comuns ou palavras complexas cujos sinônimos sejam mais populares e de fácil entendimento. Com exceção de textos para públicos muito específicos, na internet nunca sabemos quem está do outro lado da tela, por isso facilitar a leitura ajuda uma parcela significativa da audiência. Evitar repetir palavras na mesma sentença também melhora a compreensão.

Todos os fatores de legibilidade citados fazem parte dos testes de Flesch-Kincaid, Gunning Fog Index, Coleman-Liau Index e SMOG Index. Na versão paga do Yoast SEO, é possível contar com o Flesch Reading Ease, recurso ausente nas contas gratuitas.

A função de "facilidade de leitura" foi desenvolvida para medir a complexidade de textos em inglês. No Yoast Premium, o sistema avalia pontuações para vários outros idiomas, porém nem todas as línguas têm uma fórmula oficial para calcular essa ação, então o recurso não aparece completo para o uso em português — mas é possível checar palavras de transição, distribuição de subtítulos e tamanho de frases.

Se você não usa WordPress, mas um CMS (Content Management System) proprietário, pode buscar soluções externas como a Readability Test Tool, da WebFx, que é gratuita. Esse e outros sites que oferecem testes de legibilidade são em inglês, mas ajudam a definir, por exemplo, se o parágrafo está longo demais, se tem muitas palavras ou pouca pontuação.

SEO e ranqueamento do site

Os critérios de escaneabilidade compartilhados neste texto não são apontados como principais fatores de ranqueamento de sites pelos algoritmos do Google. Porém, além da estratégia de SEO, se você deseja ter uma boa performance em buscas orgânicas, considerar a experiência do usuário pode acrescentar mais valor ao conjunto de técnicas de otimização.

Como já sabemos, o uso Yoast SEO no WordPress é recomendado, mas não indispensável — assim como os testes externos de legibilidade. Ao seguir a sua estratégia e revisar o conteúdo em busca de algo que possa ser melhorado, você já estará fazendo um ótimo trabalho para tornar a experiência de leitura mais fácil, interativa, personalizada e relevante.

É certo que palavras-chave ainda serão mais importantes que a escaneabilidade do ponto de vista dos fatores de ranqueamento diretos do Google. Contudo, lembre que, se o buscador privilegia os conteúdos com a melhor experiência para o usuário (principalmente em smartphones), é de se esperar que a escaneabilidade seja levada em consideração na hora de ranquear um site; portanto, adicione essas técnicas à sua rotina.