É possível que você já tenha ouvido muitas críticas às estratégias de marketing de conteúdo, mas um detalhe não muda: as pessoas estão criando mais e mais conteúdo para diferentes plataformas, que por sua vez estão estruturando novos canais de distribuição online.

De 2017 para 2018, uma pesquisa de benchmark da Content Marketing Institute (CMI) apontou que mais de 70% das empresas planejavam criar mais conteúdo para o ano seguinte em comparação com o ano anterior. Uma tendência online que se mostrou em alta estável desde então e não deve mudar tão cedo, dado o tamanho sucesso.

Sendo assim, marketing de conteúdo está em ascensão, e você deveria dar muita atenção ao tema. Ser um ótimo gestor de conteúdo é uma das habilidades no setor de marketing mais procuradas, e os chamados estrategistas de conteúdo têm um dos salários mais altos.

Formar uma equipe, porém, revela desafios. Gerentes de marketing podem ter dúvidas sobre o que buscar nas pessoas durante o processo de contratação. Mas, aqui, estão cinco regrinhas de ouro que vão ajudar a construir o seu próximo projeto com um time invejável.

Regra 1: não fique obcecado em achar alguém que domine uma área de conhecimento

Embora seja crucial contratar pessoas que conheçam sua indústria por dentro e por fora, você não precisa manter todas as suas contratações no mesmo padrão nem deve ficar obcecado por encontrar profissionais top de linha em uma ou mais áreas de conhecimento. Já se apaixonou pelo texto de alguém que não tinha cursos de marketing digital? Treine-o!

Pode soar contraintuitivo não contratar "as melhores pessoas" para o seu time. Contudo, talvez você não tenha observado que um dos benefícios de montar a sua própria equipe é o treinamento em si. Contar com um período de curva de aprendizado pode ser inquietante no início, mas lhe dá o luxo de priorizar fatores como envolvimento e paixão do profissional.

Você pode ensinar a alguém absolutamente tudo o que a pessoa precisa saber em termos de tecnologia, ferramentas e automação. É mais difícil, porém, ensinar alguém a escrever.

Talvez aquele geek incrível que conhece todos os truques de marketing de conteúdo não soubesse muito sobre isso no início da carreira. Mas, certamente, sabia contar uma boa história.

Rega 2: teste os conhecimentos dos candidatos antes de trazê-los para a equipe

É altamente recomendado que os seus potenciais contratados sejam testados. Você pode começar aos poucos, antes de trazer uma pessoa para a sua equipe central (ou por tempo integral). Dê a eles tarefas como freelancer que sejam semelhantes ao trabalho que você quer que eles façam e veja o quanto eles dominam um assunto. Avalie, em seguida, se o domínio apresentado é o suficiente ou esperado para as atividades que você precisa.

Por que fazer isso? Há muitas pessoas à procura de trabalho, e você pode receber uma chuva de currículos, com cursos incríveis. Mas o importante mesmo é ter pessoas que saibam pôr as mãos na massa.

Você também deveria considerar vagas de estágio e trainee no seu time. Não há melhor maneira de avaliar alguém do que trabalhando com as pessoas por alguns meses. Lembra da opção de treiná-los? Pode ser a chance de você reter bons talentos e alçá-los ao voo.

Regra 3: mire nos candidatos estranhos, aqueles que desafiam o status quo

A CMO da Contently, Kelly Wenzel, tem um ditado interessante: "não pense que continuaremos fazendo algo só porque já fizemos isso antes". Isso ajuda a manter o time no caminho certo. Sabe por quê? Desafiar o status quo é um dos maiores benefícios de uma nova contratação. Membros novos olham para o seu projeto com outros olhos e, certamente, vão trazer algo novo e diferentes maneiras de contar histórias a outros tipos de público.

Pergunte aos entrevistados quais são as suas impressões sobre o tipo de conteúdo que você produz ou quer produzir e, em seguida, questione o que fariam para melhorá-lo. Se der um branco, isso significa que eles não estão tão informados ou não têm boas habilidades analíticas. Isso pode ser um mau sinal ou, no mínimo, não vai levá-lo a novos caminhos.

Regra 4: escolha a pessoa certa, para o cargo certo e no momento certo

Quando se trata de uma startup, você precisa de um monte de canivetes suíços capazes de cumprir uma dúzia de funções diferentes. Mas quando falamos de uma empresa madura que ultrapassa os 100 empregados, é preciso definir quais facas, com quais tipos de corte, você vai precisar para realizar diferentes ações: de facões e peixeiras até os menores bisturis.

À medida que sua empresa cresce, pessoas excepcionais em um ou dois papéis tornam-se mais valiosas que aquelas que são razoáveis aqui e ali, equilibrando pratinhos lá e cá.

Nesses casos, é vantajoso contratar especialistas para assumir algumas responsabilidades. Se o que você realmente precisa é de um grande redator ou cinegrafista, para produzir conteúdo de impacto e inovador, contrate o melhor que puder encontrar.

Pega 5: coloque estrelinhas em cima dos currículos de quem domina multimídia  

A quantidade de tempo que passamos por dia assistindo a vídeos no YouTube, no Facebook, no Instagram ou no Twitter não para de crescer. Isso significa que, ao avaliar as habilidades de alguém, não basta considerar suas qualidades para textos de blog, por exemplo. O candidato pode escrever roteiros de vídeo? Tem uma personalidade envolvente na frente das câmeras? E quanto a um jeito de fazer vídeos para redes sociais sensacionais?

Ter talentos em várias mídias é motivo de estrelinhas e pontos bônus na hora da contratação. Além da demanda de vídeo, se o seu candidato tiver conhecimentos (veja bem: conhecimentos, não domínio) de análise de dados, Photoshop ou design de infográfico, isso será benéfico não só para ele, mas também para você, como contratante, que conta com alguém com visão analítica e outros talentos capazes de incrementar as postagens do blog.

Guarde essas dicas e pense a respeito dos seus candidatos (e também daqueles que já fazem parte da equipe) antes de contratar. De quem você está precisando neste momento?